Notícias 1 a 1 de 1 Lista de Títulos
Economia nacional incapaz de recuperar da crise de 2003
   
A economia nacional não deu, até ao final de 2005, sinais de recuperação depois da crise de 2003. Quem o diz é o Banco de Portugal (BdP), no seu Boletim da Primavera, onde traça um retrato quase negro da evolução recente da economia portuguesa. Segundo a instituição, o ano passado fica marcado «pelo reduzido crescimento da actividade, a estagnação do emprego e o aumento da taxa de desemprego. Simultaneamente assistiu-se a um aumento do défice estrutural das contas públicas. A situação de 2005 agravou a divergência real face à área do euro e é reveladora da dificuldade que a economia portuguesa tem demonstrado em se ajustar às regras da união monetária e à intensificação do processo de globalização», refere. O Banco de Portugal mantém a estimativa de um crescimento de apenas 0,3% do produto Interno Bruto (PIB) em 2005, em forte desaceleração face a 2004. «O aumento do preço das matérias-primas e da energia e a manutenção de um crescimento sustentado dos custos de trabalho, num contexto em que a deterioração das condições no mercado de trabalho parece não se traduzir num ajustamento significativo dos salários reais, terão afectado negativamente a produção nacional», denuncia ainda. Numa óptica de despesa, o abrandamento da actividade económica em 2005 reflectiu essencialmente a contracção do investimento e a desaceleração significativa das exportações, tendo o consumo, quer privado quer público, mantido um crescimento claramente superior ao do PIB. Apesar da robustez da procura externa, as exportações foram afectadas pela queda da competitividade. A culpa é da predominância dos produtos com baixos conteúdos tecnológico e de capital humano, como os têxteis, vestuário e calçado. «Estes sectores enfrentam uma concorrência acrescida por parte de novos intervenientes no comércio mundial, produtores a baixos custos».
CiberNews 2006-04-26 18:06:00
 
Voltar à página principal do assentis.org