NOSTALGIA
A Prova da Água-Pé de 2003 em Assentis


Pinga a pinga,

Ganha-se uma bebedeira

Como não podia deixar de ser, o dia 1 de Novembro provocou muitas dores de cabeça no dia seguinte. E os intestinos também sofreram...

Enquanto os mais novos se dedicaram à caça do bolinho e das moeditas, os mais velhos, como é hábito, apostaram numa romagem às adegas, com mais uma inauguração pelo meio.

Depois de almoço, a tropa juntou-se no café da “Liberita” para definir estratégias. Depressa se chegou à conclusão que era preciso atacar o inimigo, neste caso amigo intimo, que estivesse mais perto. O primeiro assalto, foi ao barril do Ricardo “Chibanga”, uma pinguita feita às três pancadas, mas deliciosa. Seguiu-se o piparote do pai do “Lobo Branco” (Vítor) e o do Puro. Em caso deste último suspeitou-se de um tremor de terra de 1,8 na escala de Rister, mas tudo não passou de um susto, pois era o Planeta a rossonar e a aliviar a tripa no primeiro andar, depois de uma noite muito, muito comprida, e, bem regada.

Próxima paragem: a gruta do Lecas, onde os comensais e eu, pudemos provar uma pinguita a precisar ainda de umas noites frias. Por outro lado, fomos presenteados com nozes do tamanho de bolas de snooker e figos secos muito deliciosos.

Pouco depois rumamos à adega do Perdigão mais velho. Quando chegamos, chegava também o Perdigão do meio e o pequeno Perdigote. Até parece que lhe deu o cheiro.
A etapa seguinte, (glup) foi a deslocação para um acto religioso. Estas coisas de dias santos, tem de ter sempre a benção de Deus: fomos a à inauguração da nova oficina da Auto Reparadora Violante. Não sei se houve benzedura, mas aquele porco no espeto foi abençoado, pois caiu que nem gingas.
Já de noite, o maralhal mudou-se para casa do Miss, onde se todos se quiseram pesar numa balança marota. É que todos engordaram, em média, cinco quilitos a mais. Seria da balança, ou da água pé? Tirem as vossas (glup) conlusões.

A paragem seguinte foi em casa do Carlitos (Mixudas) e depois a tasca do Arnaldo, onde se verificaram as melhores touradas com os habituais cómicos de serviço.
A última consulta, pelo menos para mim, foi em casa do Zolha. Que rica pomada (glup)....
E mais não me lembro.

 
Fotos
 
 
Fotos José António Costa e texto de Nuno Matos