ASSENTIS na Concentração de Faro - 2004

XXIII Concentração de Faro
Mós Rolantes em peso

Este ano, foi talvez o maior grupo de motards de Assentis e arredores (contando com James, um irlandês de Fátima) que se deslocou à XXIII Concentração Internacional de Faro, realizada entre 15 e 18 de Faro. É certo que não fomos todos juntos, mas uma vez chegados ao “acampamento” das Mós Rolantes, totalizamos 20 pessoas.

A partida teve lugar às 7 da manhã e logo passados poucos quilómetros, em Montemor, a mota do Cadete (Kawasaki GPZ 500), dos Vales de Cima, começou a dar os primeiros sinais de cansaço. O Aurélio Berganiça (Fungalvaz) deu um jeito, mas os sintomas revelaram-se fatais e o motor “calou-se” na zona de Évora. Valeu o carro vassoura conduzido pelo cheffeur Cabeleira para levar mais dois passageiros.

Mais alguns quilómetros depois, foi o Pedro “Creolina” que ficou para trás com falta de gasolina. Pouco depois, à entrada da via do Infante, foi o Aurélio e o “bófia” que se perderam. Menos dois. O grupo só voltaria a encontrar no Patacão, para almoçar, sete horas depois da partida. Lá, encontramo-nos com alguns amigos da Lagoa do Furadouro.

Mais tarde rumamos para o Vale das Almas, local da Concentração, entre o Aeroporto Internacional de Faro e a Ilha de Faro. Começamos por fazer a inscrição e por montar as suites num sítio ideal (algumas já estavam montadas, pois o Vítor Xaréu foi na quarta-feira e poupou trabalho a alguns).

Depressa se criaram amizades com a vizinhança e a cerveja começou a escorrer pelas gargantas ressequidas. Mais tarde, a seguir ao jantar foi tempo para assistir ao strip-tease e aos concertos de Paul Di'anno, Sollagarto e Quinta do Bill. Devo referir que o grupo de Carlos Moisés deu um excelente espectáculo, mas mesmo assim não superou o da arte de bem despir.

Já de madrugada, foi altura de encontrar o caminho (missão muito difícil) para as tendas para ir descansar o esqueleto.

No sábado, depois de almoço, alguns foram à ilha de Faro assistir à exibição dos malabaristas e outros ficaram-se pela Concentração a gastar mais algumas senhas de cerveja de modo a fazer tempo para o bike-show e para o concurso miss t-shirt molhada, que serviu de aperitivo para os shows de strip da noite. Quanto a música, subiram ao palco os Chico & The Gypsies, Steppenwolf e Xutos e Pontapés. Quanto aos autores da “Minha casinha” confesso que não ouvi uma única música. Agora imaginem porquê. Não. Não foi excesso de álcool. Apenas apliquei o velho provérbio: “Deitar cedo e cedo erguer, dá saúde e faz crescer!”.

No domingo de manhã, pelas 8h30, começamos a arrumar a trouxa para nos fazermos à estrada. Devo dizer que me levantei fresco que nem um pêro! Outros, nem por isso…

Logo à saída de Faro, o grupo separou-se. O Pedro Creolina, o bófia e o irlandês ficaram para trás. Já em pleno Alentejo, nova separação e o grupo ficou ainda mais pequeno. O Aurélio, o Rogério e o João seguiram em direcção a Lisboa, enquanto os outros seguiram para Beja. Pouco depois, o motor da mota do Rogério calou-se para sempre e foi mais um que ficou para trás. Mas, desta vez não houve carro vassoura, porque também se separou do grupo e veio pela auto-estrada. Valeu o pronto de socorro, o táxi e um carro alugado.

Passadas algumas horas, encontramos o Aurélio Berganiça e o João em Almeirim. Quanto ao Rogério, Pedro Creolina, Irlandês, Bófia, nada de notícias.

Apesar dos atrasos, avarias e separações, felizmente que todos chegamos bem ao nosso destino.

Para o ano, lá estaremos de novo, para mais uma grande aventura. E, ai que me esqueci de pôr o totoloto!...

A opinião de um caloiro

O nosso paparazzi de serviço, Zé Costa (filho), não é motard e alinhou pela primeira vez nesta longa e dura marotona. Principalmente por estas razões, pedimos-lhe que aqui nos deixásse o seu testemunho pessoal desta mega festa.

«
A pedido de muitas famílias acedi a deixar a minha opinião sobre o que vi e senti na boa companhia da malta de Assentis e arredores durante este fim de semana.
Para além das razões mais óbvias de ir ver e sentir in loco o que é a grande concentração de Faro e de tirar umas boas fotografias (uma das minhas conhecidas paixões), o que mais me motivava era sem dúvida a inveja do convívio entre um grande grupo de amigos.
Estaria a mentir se dissesse que foi tudo diferente do que imaginava mas o que não me passava pela cabeça era que agora que tudo já passou tivesse ficado o bichinho a morder com a ideia (ou talvez inveja) de também querer ser motard. Sem dúvida que se pode ir a Faro sem se ser motard e curtir como o melhor e mais radical dos motards mas fica sempre a estranha sensação de estarmos entre uma família que nos sabe receber mas à qual não pertencemos.
Uma das coisas que eu já esperava e que marca este fim de semana é sem dúvida a loucura colectiva em que nos envolvemos e que sentimos que temos de aproveitar senão ficamos definitivamente a perder.
Interessante também é facto de as "nossas" (salvo seja) mulheres pensarem que loucura = sexo e mesmo que o seja na cabeça de alguns, a verdade verdeira é que a loucura, que as fotos documentam, aconteceu sem sem saias e levou a que muitos de nós tivessemos um "orgasmo" que durou quase todo o fim de semana.
Definitivamente, a concentração de Faro vale pelo espírito de amizade, boa disposição, divertimento e acima de tudo porque ali todos são iguais: engenheiros, médicos, canalizadores, pretos, brancos, com uma casal de duas, com uma R1, todos se esquecem do que eram no dia anterior e do que vão ser na próxima 2ªfeira. Penso que é isto que dizem ser o "espirito motard".
Tudo o resto pode ser visto confortávelmente em qualquer sofá deste país.

Momentos como estes todos nós merecemos.

Até pó ano, à pendura ou de mota, logo se vê.

JAC
»


Passatempo (dificil): Descubra o que faz estes rostos conhecidos parecerem tão felizes.
 

“Mós Rolantes”:
Cabeleira – cheffeur da carrinha (carro vassoura)
Zé Costa – fotógrafo
Luís Badoja – co-piloto
Vítor Xaréu – Ford (também rebentou no Algarve) e carro vassoura
Cadete e sobrinho (perdoe-me não saber o nome) – Kawasaki GPZ 500 (até a algures no Alentejo) e carro vassoura
Nuno Matos – Honda Hornet
Aurélio Berganiça – Yamaha Dragstar
João Luciano – Honda Deauville
Bófia – Honda CBR
James Irlandês – Yamaha GTS
Pedro Creolina – Yamaha Virago
Dinis – Honda CBR
Rui Coxo – KTM LC4 (chegou sozinho na sexta à noite)
Zé Carlos – Kawasaki ZX12 (chegou sozinho no sábado à tarde)
Zé Alberto – Honda VFR
Vítor – Yamaha Diversion
Rogério – Susuki GSXR (até algures no Alentejo), táxi e Fiat Punto
Manuel Sousa – Honda Pan European

 
Texto de Nuno Matos e Fotos de José António Costa
 
PS: Temos mais fotos na nossa Galeria.