LIVRO DE VISITAS
 
Mensagens: 1 a 10 de 5300 Deixar Mensagem
Autor Mensagem
Ribatejano
Torres Novas
2019-08-18 19:47
105.184.198.163    

"A vida é como um livro. Cada dia uma página nova, cada hora uma vírgula. Mas nem o lápis pode escrever o futuro nem a borracha pode apagar o passado.
De repente chega um momento em que Deus nos tira o lápis e escreve FIM !
Por esse motivo, aproveite bem o hoje, pois cada momento é único. O passado não volta e o futuro pode não chegar.
Não desperdice o tempo com mágoas e brigas. Busque a felicidade. Simplesmente viva e tente ser feliz. "

- Autor desconhecido.
Abílio Conde Vieira
Assentis
2019-08-12 21:59
105.186.240.152    

Transcrevo integralmente tal como acabo de receber:

" Embora a palavra presidenta esteja dicionarizada, e alguns especialistas defendam o seu uso, assim como o de «estudanta», «ajudanta», «parenta», continuo a pensar que tais formas se devem evitar na linguagem que se queira mais cuidada. A tendência popular é, de facto, «feminizar» os substantivos provenientes do particípio presente latino que não variava em género: "amans","amantis" (amante,que ama); "legens", "legentis" (lente, que lê); "audiens", "audientis" (ouvinte, que ouve). Na minha opinião, porém, a tendência popular não torna obrigatório para todos os falantes o uso das formas populares em qualquer contexto ou discurso.
Desculpem-me os especialistas, por certo mais experientes e sabedores destas coisas da Língua, mas não estou a ver um ofício de um organismo público da Educação, dirigido a uma escola, a falar na «estudanta» que perdeu o ano por faltas.
Em conclusão, se fosse eu, dirigia uma carta à «Senhora Presidente».
Teresa Álvares


— Em Portugal, a forma culta e única aceite em discurso formal é presidente — os nomes acabados em -ente são comuns de dois. Existem, porém, formas populares em que se constrói o feminino em -a — estudanta, sargenta, comercianta. Estas formas têm um cunho pejorativo.
— No Brasil, a situação não será muito diferente. Porém, dado o empenho da Dilma Roussef em se ter chamado a si própria presidenta (numa atitude de clara afirmação feminista — e, quem sabe?, populista), o termo acabará certamente por entrar nos dicionários sem marca de uso, assumindo ser aceite na norma culta.
O feminino das palavras infante, governante e elefante, a propósito da correcção de presidenta-.
Como ponto prévio, se dirá que a dúvida apresentada diz respeito a três palavras de natureza diferente, e que estas palavras não terminam em -ente (como presidente), do particípio presente de verbos latinos, mas em -ante.
Analisemos, então, cada uma das palavras e por que motivo elas têm o morfema -a no feminino.
A palavra infante provém do latim infans, infantis, que significava «aquele que não fala», «aquele que tem pouca idade», «criança», passando, em português, também a designar «filho do rei, irmão do príncipe herdeiro», «irmão do rei». Na acepção de «criança», a palavra entra no português como substantivo comum de dois («o ou a infante») e assim é utilizada pelos clássicos. Entretanto, por influência do francês infante, feminino de infant, começa a utilizar-se o termo infanta, apenas na acepção de «filha de rei ou de rainha, não herdeira da coroa». O termo infanta não é, pois, formado do pretenso «masculino» infante, mas provém do francês.
Quanto à palavra governante, trata-se de um termo oriundo do francês, ainda sentido em meados do século XIX como um «francesismo inadmissível e desnecessário» (Novo Diccionario da Lingua Portugueza, por Eduardo de Faria, 1857). Com o significado de «pessoa que governa», é um substantivo comum de dois («o ou a governante»). A palavra governanta entra posteriormente no português, também proveniente do francês, com o significado de «mulher a quem estava confiada a administração de uma casa» e também vai ser sentida como galicismo, por ocupar o mesmo espaço que aia, ama, criada grave. Não é, pois, uma palavra formada do português governante, não tendo, naturalmente, o significado de «mulher que preside ao governo de um país ou dele faz parte».
Finalmente, o substantivo feminino elefanta já está registado há séculos em dicionários: provém do latim, de um substantivo que assume normalmente as duas formas (o elefante e a elefanta), não sendo formado de nenhum verbo. Há, no entanto, quem utilize apenas uma forma, considerando-o um substantivo epiceno, como é regra geral em grande parte dos nomes de animais.
Em suma, estas palavras terminadas em -e que formam o feminino com a utilização do morfema -a são excepções em relação à regra relativa à formação do feminino dos substantivos ou adjectivos terminados em -ente da mesma família de verbos cujos particípios presentes são reveladores de quem pratica a acção daquele verbo.
Mudar uma palavra que acaba em -ente para o feminino, contra a lógica gramatical não é um erro de linguagem? Por exemplo não escrevemos tenenta, assistenta, gerenta, doenta..... Então presidenta, ao contrário de todas as outras palavras terminadas em -ente não quebra a lógica? E atenção a uma coisa: haver um registo escrito de uma palavra não quer dizer que o autor que escreveu essa palavra estivesse correcto ou a estivesse a escrever achando que a palavra estivesse correcta; autores muitas vezes põem erros de gramática ou lexicais na voz de personagens como forma de caracterizar essas personagens. "


Francesco Sinibaldi
2019-08-10 13:17
87.5.37.173    
Una emoción perpetua.
( third version )

Siento el mágico
canto que viene de
lejos donando la luz
de una efímera
calma: después de
la tarde intenso
y constante regresa
el sonido del viento
impetuoso que
mueve las hojas
dejando en los
campos la nueva
tristeza del silencio
perdido...

Francesco Sinibaldi
Abílio Conde Vieira
Assentis
2019-07-31 20:52
105.225.5.80    


ÁRVORES, ÁRVORES e mais ÁRVORES, Precisam-se.

Uma lição da Etiópia

Ontem, 30.Julho.2019, foi anunciado ao Mundo um acontecimento ocorrido dias antes num país do Continente Africano - a Etiópia - o qual deveria servir de exemplo a "copiar" por todos os países sem excepção.
Ao que consta terá sido batido o record do número de plantação de árvores num só dia, qualquer coisa como duzentos e cinquenta milhões. Estarão exagerados os números publicados? Não faço ideia.
A intenção, como foi noticiado, foi a de reflorestar aquele país que ao longo das últimas gerações tem sofrido uma perigosa devastação das suas áreas florestais, daí resultando graves consequências para o seu meio ambiente.
Aleluia, dizemos nós. Parabéns Etiópia.
Que belo exemplo para todo o Mundo, principalmente para o chamado "primeiro mundo"

Ficamos à espera que também o nosso Portugal "copie" bons exemplos como este. Não precisamos de bater recordes, precisamos sim de motivar o nosso povo no sentido de aderir em força a que acima de tudo se replantem todas as áreas florestais ardidas nas últimas décadas.
Que paralelamente e sem tréguas se comece também a dar cabo dessa nefasta peste chamada eucalipto.

Abílio Conde Vieira
Assentis
2019-07-22 19:33
105.225.83.144    

Como acabei de receber, transcrevo, sem comentar. Pena as fotografias não poderem acompanhar esta transcrição:


"PORTUGAL ESQUECEU-SE DE NÓS" - CAMPEÕES DO MUNDO DE HÓQUEI EM ESPANHA HÁ 59 ANOS

Hoquistas portugueses recordam vitória na final em Espanha há 59 anos
Amadeu Bouçós e Francisco Velasco marcaram no triunfo sobre a Espanha na célebre final de 1960.

Os campeões do mundo de hóquei em patins de 1960, na primeira vez que Portugal venceu um mundial da modalidade em Espanha, revelaram-se "esquecidos" por não terem sido também lembrados pela efeméride durante o recente Barcelona2019.
"Nem sequer falaram de nós e nós fomos a equipa considerada a melhor de todos os tempos. Nem sequer falaram nisso. Falaram nos primeiros, Jesus Correia e Correia dos Santos, que foram de facto fantásticos também, mas nós também marcámos uma época e ganhámos a primeira vez em Espanha (1960, em Madrid) e nem falaram neste campeonato do mundo sobre isso", sublinhou à agência Lusa Amadeu Bouçós.
Amadeu Bouçós, 84 anos, e Francisco Velasco, 85, juntamente com Fernando Adrião, já falecido, marcaram os três golos na "inédita" vitória por 3-1 frente à Espanha, na final da 14.ª edição do Campeonato do Mundo, disputado em 1960, que se realizou em Madrid.
No recente Campeonato do Mundo de hóquei em patins, em Barcelona, a Federação Portuguesa de Patinagem homenageou António Livramento, ex-avançado português que também jogou na seleção nacional com Moreira, Bouçós, Velasco e Fernando Adrião - o "Pelé do hóquei",
como foi considerado na Argentina.
"Ele (Livramento) estreou-se comigo a jogar no Chile. E digo-lhe mais, no dia em que ele se estreou e ganhámos o campeonato do mundo, para mim, foi das melhores exibições do Livramento, porque depois ele tornou-se individualista, mas foi um grande jogador", afirmou Bouçós.
O antigo hoquista luso-moçambicano adiantou: "Acho piada esquecerem o Adrião, que foi considerado o melhor jogador do mundo. O Livramento merece ser louvado, mas nós tivemos um papel muito importante (na modalidade nacional)."
"Poderiam ter falado naquela equipa que foi seis anos campeã do mundo, seis anos campeã da Europa, ganhámos tudo e nunca empatámos um jogo, ganhámos todos os jogos e não falaram sequer nisso. Ou perderam os aquivos?", vincou Amadeu Bouçós.
Hoje, aos 85 anos, Francisco Velasco lembra também que esteve "cinco anos na seleção nacional" e não perdeu um torneio: "Nós ganhámos tudo quanto havia para ganhar e, agora, se as pessoas querem esquecer isso, estão a esquecer um dos períodos mais gloriosos do hóquei em patins (nacional português)."
"Costumo dizer que quando alguém tira alguma coisa, tira o lugar onde vive. Tiraram-nos a terra, tiraram-nos a cidade, tiraram-nos o recinto e a estação, tiraram-nos os amigos, ficámos sem nada", rematou Amadeu Bouçós, referindo-se a Moçambique: "Essa minha terra."

Francesco Sinibaldi
2019-07-21 13:06
79.34.211.123    
Una emoción perpetua.
( other version )

Después de
la tarde intenso
y constante regresa
el sonido del viento
impetuoso que
mueve las hojas
dejando en los
campos la nueva
tristeza del silencio
perdido...

Francesco Sinibaldi
Ribatejano
Torres Novas
2019-07-07 07:12
105.227.22.168    

AO ACASO.

"Sou...(fulano)...
Venho do Café Nicola
E irei para o outro mundo
Se disparares a pistola. "

Resposta pronta de Bocage quando saía de um Café e foi confrontado por alguém que lhe apontava uma pistola:
"Quem és, donde vens e para onde vais".

Abílio Conde Vieira
Assentis
2019-07-01 20:40
105.184.77.175    

Importante não esquecer:

QUANDO UM CEGO TEM A SUA BENGALA COM FITAS DE COR VERMELHA, SIGNIFICA QUE ALÉM DE TER DIFICULDADES VISIUAIS TEM TAMBÉM PROBLEMAS AUDITIVOS.
ana ouro
Torres Novas
2019-06-14 23:24
95.92.181.127  
O Advogado Helder Fráguas, com a sua experiência de Juiz, é mesmo assim.
Quem não é cliente do Fráguas, é atacado por ele. Quem lhe paga e contrata-o como advogado, ele defende, seja assassino, traficante, burlão, e quando é absolvido de homicídio, tráfico ou burla, ainda pede uma indemnização
Ribatejano
Torres Novas
2019-05-21 18:20
105.224.193.169    


No século XVII, época do Barroco, os artistas eram dados a estes jogos.
Às vezes até se ficavam pelos trocadilhos, não curando dos assuntos.
Mas este tem assunto bem recheado de saber.
Soneto, obra-prima do trocadilho, escrito no séc. XVII por Frei António das Chagas (António Fonseca Soares).

CONTA E TEMPO

Deus pede estrita conta de meu tempo.
E eu vou, do meu tempo, dar-lhe conta.
Mas, como dar, sem tempo, tanta conta,
Eu, que gastei, sem conta, tanto tempo?

Para dar minha conta feita a tempo,
O tempo me foi dado, e não fiz conta.
Não quis, sobrando tempo, fazer conta.
Hoje, quero fazer conta, e não há tempo.

Oh, vós, que tendes tempo sem ter conta,
Não gasteis vosso tempo em passatempo.
Cuidai, enquanto é tempo, em fazer conta!

Pois, aqueles que, sem conta, gastam tempo,
Quando o tempo chegar, de prestar conta,
Chorarão, como eu, o não ter tempo...

 
Mensagens: 1 a 10 de 5300 Deixar Mensagem
 
Voltar à página principal do assentis.org