CRÓNICAS DE ASSENTIS
 
Assentis - Crónicas

Um Doce Materno

     Resolvi desta vez aventurar-me num crónica que fala para um público mais novo que sei vêem visitar o nosso site, sem com isto deixar de “falar” também para os mais graúdos.

     A avó do Pedro é fantástica, faz bolos e doces deliciosos, deixa o Pedro comê-los mesmo antes do jantar. Nem sequer se chateia quando o Pedro lhe desmancha o ponto cruz ou lhe suja a alcatifa com as suas brincadeiras. A avó do Pedro sabe contar histórias de aventuras fantásticas e tem muito jeito para trautear aquelas canções infantis antes dele dormir. Aliás, a avó do Pedro deixa-o o mesmo ver televisão até tarde. O Pedro adora todas essas “coisas erradas” que a sua avó lhe permite fazer, para ele aquela avó deveria ser eterna.
    Mas certo dia, o Pedro percebeu que sua avó também era mãe…, pois é, mãe da sua mamã! Para o Pedro essa descoberta era impossível de ser verdade, pelo simples facto das mães não serem como as avós. As mães vivem preocupadas, transmitem aos filhos tudo o que é correcto mas acima de tudo ficam muito chateadas quando eles teimam em fazer todas aquelas “ coisas erradas” . Vai daí, o Pedro resolveu perguntar à avó:
- Chateavas-te quando a mamã era assim do meu tamanho?
- Sim claro, quando era necessário! – respondeu a avó.
     Mas o Pedro não conseguia imaginar a sua avó chateada e insistiu:
- Deixavas que a mamã comesse doces antes do jantar, tal como fazes comigo?
     A avó ficou calada e o Pedro prosseguiu:
- Deixavas que ela ficasse a ver televisão até tarde?
     Emudecida a avó continuava já com receio das perguntas seguintes.
- Avó, tu…, mas antes que o Pedro terminasse a pergunta, a avó interrompeu:
- Sabes o que dizem meu pequenito? A mãe educa a avó faz o favor de deseducar, entendeste?
     Na realidade, o Pedro não percebeu nada do que a avó lhe quis dizer, mas mesmo assim ficou a pensar naquilo durante muito tempo. Passado algum tempo, resolveu simplificar as coisas e concluiu: “ a avó afinal era assim … uma mamã, só que uma mãe doce, sim, muito adocicada.

 
Um abraço.

José Perdigão
 
Voltar à Lista de Crónicas