CRÓNICAS DE ASSENTIS
 
Assentis - Crónicas
Realidade virtual
     Quando fui convidado para escrever sobre algo que tivesse a ver com a nossa terra lembrei-me imediatamente do tema da Zona Industrial que tarda em ser uma realidade, foi desde logo minha intenção escrever sobre os meandros deste tema que já se arrasta à qualquer coisa como 6 anos(pelo menos com uma intenção assumida). Ainda pensei em explicar-vos os problemas que uma simples industria não poluente tem para se poder instalar na nossa freguesia, só que os entraves burocráticos são tantos que resolvi nem vos maçar com isso, pelo que optei pela primeira ideia que me ocorreu.

     Muito do que vos vou falar já por certo todos sabemos, mas se ao menos estas poucas linhas contribuírem para “espicaçar” quem tem o poder executivo e que possam de uma vez por todas fazer-lhes aperceber que é imprescindível aligeirar processos, então dar-me-ei por muito satisfeito.

     A ideia da criação de uma Zona Industrial na parte norte do concelho de Torres Novas surgiu da constatação real, que a grande maioria das nossas empresas laboram em espaços reduzidos, sem condições e a maior parte das vezes sem licenciamento, logicamente que este cenário se traduz num retrocesso no processo de desenvolvimento das mesmas. Por outro lado, não existem alternativas fruto dos condicionalismos impostos por um Plano Director Municipal que se “esqueceu” destas evidências. Para agravar esta situação os condicionalismos legais, hoje em dia são mais que muitos, daí que instalar uma Industria devidamente legalizada na nossa terra ou até mesmo expandir legalmente as suas instalações tornou-se numa “missão impossível”.

     Todos sabemos que a criação de um espaço para as empresas, seja ele uma Zona Industrial ou um Parque Empresarial, devidamente adaptado às exigências do contexto actual funcionará como alavanca do desenvolvimento local, ora parece-me a mim que é esta realidade que teimosamente o poder politico se recusa a ver, tenha esse poder as razões que tiver, a verdade é que entendo que os limites do razoável foram à muito ultrapassados. Mas mais, cada dia que passa, perdem-se varias oportunidades para a nossa região: a promoção do desenvolvimento local, a possibilidade de fixar populações, a requalificação dos recursos humanos na sua zona de residência, a possibilidade de candidatura a fundos comunitários e ainda a promoção de uma relação mais saudável entre meio ambiente e o tecido empresarial. Todas estas razões são genéricas é certo, todavia são quanto a mim mais que suficientes para que não se continue no marasmo de avanços e retrocessos que este projecto de desenvolvimento garantido tem vindo a padecer. Só para que tenham uma ideia em termos de números, posso avançar que pelos dados recolhidos e avaliados pela Comissão ( importa saber que numa 1ª fase foi a Comissão responsável pela recepção de candidaturas, tendo a Câmara Municipal recebido entretanto mais, pelo que os dados pecam por defeito ): 40 empresas manifestaram intenção de se deslocar para a Zona Industrial a constituir, com essa instalação haveria a criação liquida de 450 postos de trabalho directos, as mesmas empresas previam investimentos na ordem dos 15 milhões de euros, e volumes de negócios a rondar os 27,5 milhões de euros, para as suas instalações necessitavam de uma área coberta de 4,44 hectares. Estes eram os números à 6 anos atrás se ainda hoje eles tem uma dimensão importante mais o eram aquela data, com a certeza de que por certo hoje o seu peso será ainda maior, daí que não se entende como é que o poder político não tem agido de forma activa no tratamento desta importante questão para a nossa freguesia.

     Penso que fica claro que a iniciativa de promover este projecto de constituição de uma Zona Industrial na parte norte do concelho de Torres Novas é uma necessidade urgente e com objectivos fundamentados. Mas mais que isso, dei-me ao trabalho de analisar o Plano Estratégico da RLVT ( 2000-2010 ), e na maior parte dos objectivos , acções e medidas a que se propõe, enquadra na perfeição neste processo tão importante para a nossa terra, daí que se torne imperioso que apareça, definitivamente, a vontade real e efectiva de levar um projecto estruturante como este para a frente.

     A verdade é que sempre que se fala no assunto com alguém com responsabilidades nesta matéria é nos respondido que “…o assunto está a ser tratado…”, o problema é que resultados desse “ tratamento”, esses, não aparecem, e aquilo que podia ser uma mola impulsionadora para o desenvolvimento local não tem passado de uma “ carta de boas intenções” no que toca aos empresários, e atrevo-me mesmo a dizer, uma “ bandeira politica “ para o poder instituído. Certo é, que na realidade já muitos empresários sonharam com a existência desta Zona Industrial, que neste momento não passa de pura ficção.

     Aqui fica o meu contributo para uma causa que todos devemos defender para bem da nossa terra e das suas gentes.
Um abraço a todos.


José Manuel Perdigão
2006-02-23
 
 
 
Voltar à Lista de Crónicas